Arquivo - Tag: Rituais

O Direito do Corpo Morto

Hoje, partimos do pressuposto de que o corpo morto não tem direitos. Ele pertence à família, que pode fazer o que bem entender com o corpo. Ou ao Estado, no caso de não haver uma família requisitando aquele corpo. A família pode, por exemplo, decidir não doar órgãos, independente de ser uma vontade explícita do(…)

Um hotel para os mortos

Aparentemente, não há razão de existir para um hotel onde os hóspedes são defuntos e não casais em lua de mel. Mas no Japão há sim e o motivo é simples: a fila de espera do crematório chega a quatro dias, levando famílias em busca de alternativas a deixar o corpo em casa, aguardando. O(…)

A morte segundo os sentidos dos maoris

“Os maoris creem que temos uma alma e uma essência de vida. Essa essência nos é dada a cada vida, estará em nós enquanto vivermos e deixará de existir com a morte do nosso corpo, do nosso “recipiente”. A alma estará conosco pela eternidade”. A advogada especialista em direitos do autor, Luciana Freire Rangel, escreveu um(…)

Ministério da Cultura da China reprime strippers em funerais

Na última quinta feira (23), o Ministério da Cultura da China anunciou esforços para reprimir uma atividade pouco conhecida, mas habitual em áreas rurais chinesas: a contratação de strippers para funerais. O objetivo desse costume heterodoxo seria atrair mais público ao evento. O anúncio da autoridade chinesa detalhou dois casos como exemplo, indicando ser uma(…)

Adeus à carne

Uma possível origem da palavra Carnaval é “carnis levale”, adeus à carne, ou retirar a carne, em latim. Ele é um festejo para se despedir de prazeres mundanos antes de iniciar-se a quaresma, que começa na quarta-feira de cinzas. A quaresma é um período de limpeza física e espiritual que antecede a Semana Santa –(…)

Funeral celeste – o impactante ritual tibetano

No alto de uma das áridas montanhas do Tibet, um grupo de pessoas se reúne. Há música e contemplação. O corpo de um defunto é preparado enquanto a representação dos Dakinis (“dançarinos celestes”) se aproxima. São os urubus, aguardando para se alimentarem, num ato considerado sagrado por oferecer-se o corpo para sustentar a vida de outro ser.(…)

Enterrar ou cremar?

Você está lá, no meio de um jantar de família, quando seu pai solta: “pois eu gostaria de ser cremado”. Paira um silêncio no ar até que um dos filhos dá uma gargalhada sem graça e diz algo como: “você não vai morrer tão cedo pai”, e pede para passar o sal. O clima volta(…)